Frases

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

ROT13?

ROT13 é um método de criptografia simples em que cada letra é substituída pela letra situada no alfabeto treze letras após a original. A letra A, por exemplo, é substituída pela letra N, que, por sua vez, é substituída pela letra A; a letra Z é substituída pela letra M. A criptografia ROT13 não é usada para proteger mensagens contra leitores não-autorizados. Esse método é usado em newsgroups para codificar as mensagens que um usuário não deseja ler, como piadas obscenas ou spoilers. Alguns newsreaders podem executar automaticamente a criptografia e a decriptografia ROT13, bastando
para isso que o usuário pressione uma única tecla.

O algoritmo de criptografia ROT13 não possui chave e não é seguro.




terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Epson LX-300 no Ubuntu

Navegando pela web encontrei no blog caioariede um post ensinando como instalar a BOA e velha Epson LX-300, impressora muito usada em lojas, e departamentos comerciais na impressão de notas e etc.
Para quem quer dar vida a essa belezura basta seguir os passos postados no site.

Testado no hardy heron Acessar o tutorial
Mesmo sendo uma impressora antiga, basta acessar qualquer site de vendas para ver que a mesma ainda possui um grande valor no mercado.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Gerando graficos com logs do squid

O squid graph é um script em Perl que gera uma página da Web atravéz do log , e que mostra estatísticas sobre seu proxy acessos e transferências, incluindo o número de hits e cache a percentagem de pedidos que foram atendidos pelo cache .



Free Image Hosting at www.ImageShack.us


Free Image Hosting at www.ImageShack.us


Ver post completo -> [INGLÊS]

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Personalize a tela de login do seu Gnu/Linux

Um dos mais poderosos atributos do Gnu/Linux é a facilidade que o usuário tem para customizar o sistema.
Um sistema que pode ser totalmente feito a gosto do usuário, e seguindo os conceitos de customização, neste
post estarão 30 telas de login para você deixar o sistema mais bonito e com uma aparência renovada.

Ver o post completo (Inglês)



terça-feira, 18 de novembro de 2008

Microsoft leva mais de sete anos para corrigir vulnerabilidade


Sete anos e meio. Esse foi o tempo que a Microsoft levou para corrigir um problema em um componente do Windows chamado Server Message Block (SMB), usado para compartilhar documentos e arquivos via redes de computadores. A falha foi descoberta em março de 2001 e, desde então, hackers desenvolveram vários códigos para explorar a vulnerabilidade. O problema só foi corrigido na terça-feira (11/11), com a divulgação do pacote de correções mensal da Microsoft.

Leia o artigo completo

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Linux em 2.97 segundos


Ainda recentemente circulou uma notícia que maravilhou os entusiastas dos computadores: foi feita uma demonstração que mostrou ser possível fazer o Boot de um sistema Linux, num Eee PC, em apenas 5 segundos. No entanto, há situações onde mesmo esses 5 segundos parecem uma eternidade, portanto… que tal se reduzimos 2 segundos a esse valor e tivessemos um sistema Linux pronto a usar em menos de 3 segundos?

Leia o texto completo aqui

Site do sistema Warp2

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Permissões linux


Você não consegue se lembrar dos números das permissões do ubuntu?

Com ESTE site, você apenas seleciona as opções desejadas para um arquivo que ele lhe mostra o número que você devera adicionar junto ao comando chmod.

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Jovem Pan FM deixa vazar lista com 21.694 endereços de e-mail


Se você é um usuário cadastrado da newsletter da Jovem Pan FM de São Paulo, seu endereço de e-mail pode ter sido publicado na web, possibilitando que spammers e criminosos o obtenham. Uma lista contendo 21.694 e-mails cadastrados no site da rádio está disponível publicamente na web pelo menos desde o início de outubro, embora a data do documento não possa ser determinada com precisão.

Veja a lista de emails que ainda esta na cache do GOOGLE

sábado, 8 de novembro de 2008

Tenha mais segurança nas suas conversas


Pidgin-Encryption (Entrar no site)

Features include

> Automatically creates a public/private key pair for you upon loading the plugin
> Automatically transmits your public key to other users.
> Supports 512 - 4096 bit keys.
> Saves keys of known users, and warns you if their public key has changed.
> Embeds all encryption and keys inside HTML, so if the other user doesn't have the plugin, they will get a little message telling them about the plugin, and won't get a screen full of garbage.
> Stores keys in human readable files in your .gaim/.pidgin directory, in case you ever need to copy/edit them by hand. Which you really shouldn't have to do.
> Automatically recognizes if you are chatting with someone who has the plugin- see the Preferences dialog.
> Available for the Windows version of Pidgin.
> Modular and extensible. If you want to define a different type of encryption, you can use this plugin as a wrapper to take care of transporting the encrypted binary over the IM pipe.

























quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Debian ou Ubuntu?


Todos que me conhecem sabem que sou fanático pelo Ubuntu Linux; no entanto as últimas versões apesar da simplicidade e facilidade estão cada vez mais exigentes com o hardware, o que obrigou-me a voltar ao meu velho companheiro, o debian.

Afinal, o que é o Debian?

O debian é uma distribuição de Linux criada por voluntários; sendo a distribuição preferida da FSF (Fundação do Software Livre). A estabilidade do debian é um dos seus pontos fortes, cada versão lançada é testada incansavelmente, sem ambição em lançar versões comerciais cada vez mais rápido e imaturas. Por ser tão exigente com a escolha de pacotes a fazerem parte do sistema, o Debian é uma das distribuições mais utilizadas em servidores no mundo todo.

O Ubuntu vem do Debian

O Ubuntu Linux é baseado no Debian, e hoje em dia é até mais popular pelo fato de estar mais customizado ao usuário final que é seu grande foco, no entanto, estas simplicidades acabam tornando o sistema cada vez mais exigente de hardware.

Voltando ao Debian

Depois de sentir que o Ubuntu já não estava apresentando o desempenho que eu esperava em meu computador, resolvi voltar ao Debian que é meu sistema preferido em servidores.

A versão atual do sistema é o “Lenny” que é uma versão de teste; sempre que uma versão do Debian é lançada, ela recebe o nome de “Testing” e somente após 12 meses ela é considerada “Estável”; a versão estável atual é a 4.0 de codinome “Etch”.

Obs: Todos os codinomes de versões do Debian, são nomes de personagens do filme “Toy Story”.

Leia o texto completo

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

ReadyBoost with Ubuntu Linux


Hi everybody,
by following this little tutorial you'll be able to use a USB pen prive as an additional swap. As a result, the pen drive will be used in the same way windows Vista does through the ReadyBoost functionality.

Instructions are very simple:

1) plug the pen drive in your usb connector;
2) if ubuntu automount the device (usually in /media/usbdisk), umount the device (ie., sudo umount /media/usbdisk);
3) sudo mkswap /dev/sda1 (assuming /dev/sda1 is the correct device for the connected usb device)
4) sudo swapon -p 32767 /dev/sda1


... and you are in!

do a "cat /proc/swaps" to check if everything is ok; on my laptop I get the following output:

Filename Type Size Used Priority
/dev/hda4 partition 2353512 116 -1 (standard HD swap partition)
/dev/sda1 partition 1981928 123900 32767 ("ReadyBoost"-style pen drive)

Quite obviously, performances are not the same as with real additional ram; however, I feel REAL gain in speed while using eclipse+tomcat+mysql for development on my laptop (which is equipped with just 512MB ram).

Possibly, a simple bash-script can be developed to automate the few steps...



quarta-feira, 30 de julho de 2008

Links do delicious [2]


Vírus no Linux?


Por que é que vírus de Linux não é mais do que um assunto para rodas de ciberpapo? Por que é que os vírus para Linux não nos afetam do jeito que os vírus para produtos Microsoft afetam, a usuários do Windows em particular, e aos cibernautas em geral?

Existem várias razões porque o assunto vírus-de-Linux é abobrinha. Quase todas elas já familiares para quem usa o kernel, quase todas elas ainda desprezadas por quem gosta de ser enganado (tagarelando abobrinhas tipo "é menos atacado porque é menos usado"). Mas há uma razão, muito importante, que estudiosos da evolução biológica podem apreciar. Antes, porém, devemos saber porque o Linux não dá mole para vírus.

Leia o artigo completo

sexta-feira, 11 de julho de 2008

MBR [Master boot record]

Atualizado: 13 Jul

Obrigado [Fernando Pinheiro] pela correção.

Outros artigos sobre MBR na web

1-Backup da MBR

2- Criar dual boot sem alterar a MBR

3- Restaurar GRUB

4- Recuperando MBR com WIN Vista ¬¬







.

MBR e setor de boot

* A MBR é um espaço em dispositivo de armazenamento composto de 512 bytes divididos em área de tabela de partição e área de programa.
* A área de tabela de partição armazena informação de particionamento do disco.
*
Combinações de MBR e setor de boot
* Cada sistema pode ter uma MBR própria, dependendo de cada gerenciador de boot.
o Linux (MBR-Lilo e MBR-Grub)
o Windows (MBR-DOS, MBR-NT, etc)
* Escolher bem o gerenciador de boot pois alguns não possuem suporte à multiboot.

Backup:

Com o comando dd é possível fazer backup destes setores, e até mesmo salva-los em um backup.

Criando um backup:

dd if=/dev/hda of=mbr.backup bs=512 count=1

A opção bs diz quantos bytes serão usados e a opção count diz quantos blocos.

Restaurando MBR+Tabela de partições:

dd if=mbr-backup of=/dev/hda bs=512 count=1

Restaurando MBR sem alterar a tabela de partições:

dd if=mbr-backup of=/dev/hda bs=446 count=1

Limpando a MBR

Se você deseja limpar a MBR completamente poderá usar o comando :

dd if=/dev/zero of=/dev/hda bs=446 count=1

-> onde hda é o master da IDE primária. Substitua por outra letra da seguinte forma: hdb=slave da primária, hdc=master da secundária, hdd=slave da secundária. Este comando escreve zeros em todos os setores do disco.

Leia também:

Apague de Verdade Seus Arquivos


quinta-feira, 10 de julho de 2008

Links do delicious [1]

Eu como usuário compulsivo do delicious, a partir de hoje vou começar a fazer posts, de links interessantes, encontrados no site, cada post terá 5 links dos mais variados assuntos e distribuições.

1- Guia de Instalação de Debian
2- Entendendo o uso de memória no Linux
3- Instalando flash no Ubuntu
4- Como alterar o endereço MAC de uma interface
5- Instalando Ubuntu no pendrive



sexta-feira, 4 de julho de 2008

Addon para seu .bashrc

Addon para extrair seus arquivos de forma mais simplificada

Basta copiar o script e colar no seu ~/.bashrc

#Extract things. Thanks to urukrama, Ubuntuforums.org
extrair () {
if [ -f $1 ] ; then
case $1 in
*.tar.bz2) tar xjf $1 ;;
*.tar.gz) tar xzf $1 ;;
*.bz2) bunzip2 $1 ;;
*.rar) rar x $1 ;;
*.gz) gunzip $1 ;;
*.tar) tar xf $1 ;;
*.tbz2) tar xjf $1 ;;
*.tgz) tar xzf $1 ;;
*.zip) unzip $1 ;;
*.Z) uncompress $1 ;;
*.7z) 7z x $1 ;;
*) echo "'$1' Não foi possivel extrair o arquivo pelo extrair()" ;;
esac
else
echo "'$1' não e um arquivo valido"
fi
}


depois basta acessar a pasta e usar o comando extrair

sábado, 28 de junho de 2008

Alterando o diretório da pasta desktop

Bom, existem vários tutoriais na internet sobre este assunto, mas muitos contendo muito léro-léro

Para não sermos mais um desses tutoriais , vamos logo aos passos, de forma simples e objetiva

1- Edite o arquivo user-dirs.dirs que se localiza na pasta ~

Editei o arquivo
~/.config/user-dirs.dirs

2- O Conteudo do arquivo é esse


XDG_DESKTOP_DIR="$HOME/"
XDG_DOWNLOAD_DIR="$HOME/"
XDG_TEMPLATES_DIR="$HOME/"
XDG_PUBLICSHARE_DIR="$HOME/"
XDG_DOCUMENTS_DIR="$HOME/Documentos"
XDG_MUSIC_DIR="$HOME/Músicas"
XDG_PICTURES_DIR="$HOME/Imagens"
XDG_VIDEOS_DIR="$HOME/Vídeos"

3- Para alterar a pasta, temos apenas que alterar os valores das 2 primeiras linhas

Antes:


XDG_DESKTOP_DIR="$HOME/"
XDG_DOWNLOAD_DIR="$HOME/"

Depois:

XDG_DESKTOP_DIR="$HOME/desktop"
XDG_DOWNLOAD_DIR="$HOME/desktop"


Dica:

O patch indicado pode ser trocado para qualquer outro que seja de interesse do usuário. Como, por exemplo "$HOME/Area".

4- Feito isso salve o arquivo, q a pasta desktop já esta criada na sua ~/desktop

Outros links sobre o assunto

Bestlinux
Canecas
Google

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Links simbólicos e Links rígidos [explicação básica]

Existem dois tipos de links, os links simbólicos e os links rígidos (fortes).
Quando criamos um link simbólico significa que criamos um ponteiro a tal arquivo ou diretório. Se você apagar tal arquivo ou diretório o link ficaria apontando para nada.

Por outra parte, se você criar um link rígido, o que faz é criar uma cópia do arquivo ou diretório, a vantagem deste tipo de link é que se modificar algum dos dois sempre se modificarão os dois e se apagar um o outro não se perderia.
Normalmente não se fazem links rígidos já que implica ter duplicada a informação ocupando espaço de maneira desnecessária, por esta razão só o root tem permissões para fazer este tipo de links.
Uma desvantagem dos links rígidos é que só se podem fazer entre arquivos ou diretórios de uma mesma unidade.

O comando para criar links é o seguinte:
ln -parametro rotadiretorio nome_link

Parametros:
-s Para links simbólicos
Se não colocarmos nenhum parâmetro se criaria um link rígido (forte).
__________
Sara Álvarez

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Firefox 3 - Resultado do download day



Com mais de 8,3 milhoes de downloads e com quase 11.000 downloads por minuto, firefox 3 entra para o livro dos recordes.


sábado, 31 de maio de 2008

Baixar arquivos protegidos com senha com o wget



Você que gosta de usar o wget para tudo, já pode usar o wget também para baixar aquele arquivo que está num servidor protegido com senha.

Como fazer isso?

Simples, basta usar os comandos --user=usuário e --password=senha

Exemplo: Vamos baixar um .pdf que está no meu servidor, entaum vou usar os seguintes comandos

$ wget --user=charles --password='soheusei' http://charlespito/arearestrita/area/meuarquivopdf.pdf

quinta-feira, 29 de maio de 2008

Alias no .bashrc




















Lembra dos alias usados no mirc?

/echo 3 -s Seu nick é $me e seu ip é $ip
/echo 3 -s Você está em $chan(0) canais
/echo 3 -s O relógio de seu computador marca $time


$date $time $idle $me $server $ip etc etc etc etc

http://pt.wikipedia.org/wiki/MIRC_script

As aliases são o que noutras linguagens se chama de função (ou procedimento),
isto permite criar mais comandos que não existem no mIRC Scripting, estas aliases
podem ser usadas por outras aliases, popups, remotes ou pela linha de comandos do mIRC.

Exemplo:

dizdata echo -a Data: $date

Bom como você viu acima, criar alias para mirc é muito fácil, e poupa muito
tempo, pois comandos longos podem ser resumidos a pequenos caracteres, mas o meu
objetivo aqui não é falar do mirc, mas sim do .bashrc

Nesse humilde post vou postar alguns alias que podem ser adicionados no
seu ~/.bashrc para lhe ajudar em tarefas comuns, economizando muito, mas muito
tempo na hora de você fazer o seu trabalho no terminal.

Vamos lá

Olguns alias interessantes são:

# instalar um pacote automaticamente, já respondendo o Yes para a confirmação
alias ins="sudo aptitude install -y"

Note que apartir do momento que você adicionar essa linha no seu .bashrc

você poderá fazer a instalação de um programa assim por exemplo

ins xchat
(senha)

ao invez do tradicional sudo apt-get install xchat
(senha)
XD

# pesquisar por um pacote
alias search="apt-cache search"

# Limpar a tela
alias c="clear"


# mostrar tamanho do disco em MB/GB em vez de "blocks"

alias hdd="df -h"

# entrar no home
alias home="cd ~"


# limpar lixeira
alias trash="rm -fr ~/.Trash"

Agora basta você usar a sua imaginação, e encurtar aquele comando em 1 ou 2
caracteres

Já que estamos mechendo no nosso .bashrc aproveitamos e adicionamos uma mensagem
de entrada no terminal

por exemplo

#------Menssagem de entrada---------------------
# customize this first message with a message of your choice.
# this will display the username, date, time, a calendar, the amount of users, and the up time.
clear
echo -e "Olá $USER , bem vindo ao terminal"
echo -e ""
echo -ne "Hoje é "; date
echo -e ""; cal ;
echo -ne "Up time:";uptime | awk /'up/
{print $3,$4}'
echo "";

importante também é saber a diferença entre arquivos tipo:

1) Arquivo .bash_profile
Este arquivo reside no diretório pessoal de cada usuário. É executado por shells que
usam autenticação (nome e senha). .bash_profile contém comandos que são executados
para o usuário no momento do login no sistema após o /etc/profile. Note que este é um
arquivo oculto pois tem um "." no inicio do nome.

Por exemplo colocando a linha: alias ls='ls --colors=auto' no .bash_profile, cria um
apelido para o comando ls --colors=auto usando ls, assim toda vez que você digitar ls
será mostrada a listagem colorida.



2) Arquivo .bashrc

Possui as mesmas características do .bash_profile mas é executado por shells que não
requerem autenticação (como uma seção de terminal no X).

Os comandos deste arquivo são executados no momento que o usuário inicia um shell com
as características acima. Note que este é um arquivo oculto pois tem um "." no inicio
do nome.



3) O arquivo /etc/profile

Este arquivo contém comandos que são executados para **todos** os usuários do sistema
no momento do login. Somente o usuário root pode ter permissão para modificar este arquivo.

Este arquivo é lido antes do arquivo de configuração pessoal de cada usuário (.profile
root) e .bash_profile).

Quando é carregado através de um shell que requer login (nome e senha), o bash procura
estes arquivos em seqüência e executa os comandos contidos, caso existam:

1.. /etc/profile
2.. ~/.bash_profile
3.. ~/.bash_login
4.. ~/.profile
Ele **ionterrompe** a pesquisa assim que localiza o primeiro arquivo no diretório do
usuário (usando a sequência acima). Por exemplo, se você tem o arquivo ~/.bash_login
e ~/.bash_profile em seu diretório de usuário, ele processará o /etc/profile e após
isto o ~/.bash_profile, mas nunca processará o ~/.bash_login (a menos que o
~/.bash_profile seja apagado ou renomeado).

Caso o bash seja carregado através de um shell que não requer login (um terminal
no X, por exemplo), o seguinte arquivo é executado: ~/.bashrc.

Observação: Nos sistemas Debian, o profile do usuário root está configurado no
arquivo /root/.profile. A razão disto é porque se o bash for carregado através do
comando sh, ele fará a inicialização clássica deste shell lendo primeiro o arquivo
/etc/profile e após o ~/.profile e ignorando o .bash_profile e .bashrc que são
arquivos de configuração usados somente pelo Bash. Exemplo, inserindo a linha
mesg y no arquivo /etc/profile permite que todos os usuários do sistema recebam
pedidos de talk de outros usuários. Caso um usuário não quiser receber pedidos de
talk, basta somente adicionar a linha mesg n no arquivo pessoal .bash_profile

Espero que tenham gostado.

Charles.









quinta-feira, 22 de maio de 2008

Arquivo Sudoers


















Para você editar seu arquivo sudoers
edite o arquivo /etc/sudoers

Exemplo do arquivo

----

# sudoers file.
#
# This file MUST be edited with the 'visudo' command as root.
#
# See the sudoers man page for the details on how to write a sudoers file.
#

# Host alias specification

# User alias specification

# Cmnd alias specification

# Defaults specification

# Runas alias specification

# User privilege specification
root ALL=(ALL) ALL
# Uncomment to allow people in group wheel to run all commands
# %wheel ALL=(ALL) ALL

# Same thing without a password
# %wheel ALL=(ALL) NOPASSWD: ALL

# Samples
# %users ALL=/sbin/mount /cdrom,/sbin/umount /cdrom
# %users localhost=/sbin/shutdown -h now

----

Pode-se ver nesse arquivo que temos alguns exemplos de configuração.

Por exemplo, se quizermos dar privilegios para o usuário charles, dar um shutdown na maquina, fariamos o seguinte:

Após a linha

root ALL=(ALL)

Colocariamos a linha:

charles ALL=NOPASSWD: /sbin/shutdown

O que foi dito ai em cima, foi o seguinte:

charles -> Usuário que vai receber o privilégio
ALL -> Host em que vai ser utilizado (pode ser também como localhost)
NOPASSWD -> Sem confirmação de senha
/sbin/shutdown -> Comando de permissão

outro exemplo de configuração

charles    localhost = NOPASSWD: /bin/kill, PASSWD: /bin/ls, /usr/bin/lprm

como você poder ver, eu posso especificar, qual comando ele irá ou não pedir a senha

Consulte tambem o manual sudoers

Já que estamos no arquivo sudoers, uma coisa um tanto quanto (interessante), é habilitar
que o sudo insulte o usuário, quando ele errar a senha.

Sim, isso mesmo

Quando você for digitar uma senha e a mesma estar errada, ele te chinga

  • I ve seen penguins that can type better than that.
  • Maybe if you used more than just two fingers
As frases estão em inglês, mas são bem faceis de intender

XD

Como habilito isso?

Bem simples

No Ubuntu, essa função vem desabilitada. Para habilitar, insira a palavra insults no final da linha quem começa com Defaults . Essa linha deve ficar mais ou menos assim:

  Defaults !lecture,tty_tickets,!fqdn,insults

Pronto! Basta executar o comando sudo e digitar uma senha errada.



quarta-feira, 30 de abril de 2008

Checar MD5 no Windows














Acesse o site http://www.etree.org/md5com.html

Baixe o arquivo de 48KB e jogue nas seguintes pastas

Windows 95/98/Me: Download md5sum.exe to c:\windows\command

Windows NT/2000/XP: Download md5sum.exe to your c:\winnt\system32

Pronto, agora de acordo com o seu sistema operacional, abra o prompt

Windows 95/98/Me: Start -> Run... -> command

Windows NT/2000: Start -> Run... -> cmd

Procure o local onde se encontra o arquivo

ex: c:\downloads

e cheque a md5

md5sum [filename].iso

domingo, 13 de abril de 2008

Montando partições no fstab

Olá pessoal, vou falar um pouco sobre o arquivo fstab (/etc/fstab). É através desse arquivo que são montadas as partições para que o Gnu/Linux inicie corretamente, pois sem ele não teria como iniciar o sistema. O fstab também serve para montar outras partições com outros sistemas de arquivos, facilitando para você não precisar montar aquela sua partição windows toda vez que ligar o computador, e através dele também são montados os dispositivos(cd-rom, dvd, floppy...). Este documento se baseia no manual do fstab(man fstab) e do manual do mount(man mount).
Então vamos lá.
Abaixo temos um exemplo de um arquivo /etc/fstab:

Device
Moint point
File Sistem
Options
/dev/hda4 / ext3 defaults 1 1
/dev/hda5 /var ext3 defaults 1 2
/dev/hda6 swap swap defaults 0 0
/dev/hdb /mnt/cdrom iso9660 defaults,noauto,user 0 0
/dev/fd0 /mnt/floppy auto defaults, noauto, user 0 0
/dev/hda2 /mnt/win vfat noexec,uid=100,gid=100 0 0
none /proc proc defaults 0 0

O modelo do arquivo fstab é assim:
[dispositivo] [ponto de montagem] [sistema de arquivos] [opções] [opção para o dump] [opção para o fsck]

dispositivo:
Nesse campo é colocado o dispositivo a ser montado ou um sistema de arquivos remoto. Para montagens NFS deve ser colocado :

, exemplo: dark.dark.net:/home/minhapasta. Para procfs, use somente 'proc'. No exemplo acima a primeira linha monta o dispositivo hda4.

ponto de montagem:
Ele identifica em qual pasta será montada a partição, para partições swap esse campo deve ser especificado como 'swap', se o nome do ponto de montagem contiver espaços, estes podem ser representados por '\040'. No nosso exemplo na primeira linha coloquei a pasta raiz do Gnu/linux, já na segunda linha identifiquei como a pasta /var que seria montado no sistema.

sistema de arquivos:
Nesse campo você descreve qual o sistema de arquivo. Atualmente os seguintes tipos de sistemas de arquivos são suportados - consulte /proc/filesystems para saber quais sistemas de arquivos são suportados pelo seu kernel:
adfs, affs, autofs, coda, coherent, cramfs, devpts, efs, ext2, ext3, hfs, hpfs, iso9660, jfs, minix, msdos, ncpfs, nfs, ntfs, proc, qnx4, reiserfs, romfs, smbfs, sysv, tmpfs, udf, ufs, umsdos, vfat, xenix, xfs.

opções:
Segue abaixo explicação de algumas das opções disponíveis no fstab:

noauto: Essa opção faz com que o dispositivo não montado automaticamente durante o boot, é a opção que deve ser usada para disquetes e cd-roms no fstab, pois senão o Gnu/Linux iria tentar monta-los mesmo que não tivessem discos neles.

user: Essa opção é ótima também para discos removíveis, ela permite que qualquer usuário possa montar esse dispositivo.

noexec: Essa opção é muito útil para quando montamos partições windows, pois ele não gerencia os arquivos com permissões como no Gnu/Linux, com isso os arquivos ficam todos como executáveis, se você clicar em cima de um arquivo mp3, usando o konqueror por exemplo, ele vai tentar "executar" o arquivo é claro que sem funcionar, usando essa opção você faz com que isso não ocorra.

uid: Essa opção também é útil quando se monta partições FAT, pois elas não trabalham com permissões de arquivo, assim todas as partições que forem montadas estarão com o dono dos arquivos seja o root. Assim você com um usuário normal não poderia ter total controle desse diretório, com essa opção você pode mudar o dono do arquivo usando o uid dele que pode ser encontrado no arquivo /etc/passwd:

jean:x:144:200::/home/jean:/bin/false

Nesse exemplo o uid do usuário jean seria 144.

gid: Com essa opção você pode mudar o grupo do diretório, na verdade é a mesma função da opção acima, só que faz isso com o grupo.

jean:x:144:200::/home/jean:/bin/false

Nesse exemplo o gid do usuário jean é 200.

umask: serve para indicar quais serão as permissões dos arquivos, já que os sistemas Fat e derivados não tem sistema de permissões. O padrão é a mascára do processo atual. O valor é dado em formato octal. O padrão geralmente é representado por 022, ou seja, bit 'w'(permissão de escrita) apenas para o dono.

Abaixo uma explicação para os valores de umask(fonte www.conectiva.com.br):
A umask funciona retirando permissões, ou seja, a permissão padrão do sistema seria 666, mas com um valor de 022, no caso do superusuário, teríamos 644 (666-022=644), o que significa que quando um arquivo for criado pelo superusuário ele vai ter suas permissões inicias em -rw-r-r--, permitindo escrita e leitura para o dono do arquivo e somente leitura ao grupo ao qual ele pertence e para os demais usuários do sistema. Já no caso dos usuários comuns do sistema, todo arquivo iniciará sua vida com permissões 664 (666-002=664), o que significa leitura e escrita para o dono e para o grupo (no formato absoluto será -rw-rw-r--) e aos outros usuários do sistema permite apenas leitura.

ro: O dispositivo será montado somente para leitura

rw: Monta o sistema de arquivos com permissão de leitura e gravação.

exec: Permite a execução de binários.

suid: Permite o uso dos bits de configuração de identificação do usuário e do grupo.

dev: Interpreta dispositivos especiais de blocos ou caracteres no sistema de arquivos.

defaults: Usa as opções padrão: rw, suid, dev, exec, auto, nouser, e async.

opção para o dump:
Essa opção é usada pelo comando dump para determinar quais sistemas de arquivos precisam ser copiados, caso não tenha sido escrito nada nesse quinto campo o valor dele será considerado zero, e o dump assumirá que esse sistema de arquivos não precisa ser copiado.

opção para o fsck:
Nesse campo você deve colocar a ordem em que os sistemas de arquivos serão verificados durante o boot. A partição raiz ( / ), sempre como 1, e os outros sistemas de arquivos devem ter esse campo a partir de 2 fazendo seqüência de acordo com o número de partições que você quiser montar. Sistemas de arquivos em um mesmo dispositivo, serão verificados seqüencialmente, e sistemas de arquivos em dispositivos diferentes, serão verificados ao mesmo tempo para utilizar o paralelismo disponível com o hardware. Caso esse campo não exista ou esteja com o valor 0 o fsck não irá checar essa partição ao inicializar o Gnu/Linux.

Mais informações sobre essa opções podem ser encontradas com o comando "man mount" ou "man fstab", aqui eu somente coloquei as que julguei mais importantes. Na primeira linha do exemplo você puderam ver que esta com as opções default do sistema, já na linha onde montei o cd-rom utilizei das opções noauto, defaults e user, fazendo com que fique da melhor maneira para trabalhar, é claro que essas opções ficam a seu critério, e suas necessidades.

Vou passar aqui para vocês alguns exemplos usando o comando mount. (Colaboração: Andrei Drusian )
Montando disquete formatado em FAT
# mount -t vfat /dev/fd0 /mnt/floopy

Montando o Cdrom

# mount -t iso9660 /dev/hdX /mnt/cdrom

Montando partição Windows FAT

# mount -t vfat /dev/hdaX /mnt/win

Montando partição Windows NTFS
# mount -t ntfs /dev/hdaX /mnt/win

Montando compartilhamento remoto Windows/SMB
# mount -t smbfs //192.168.0.1/dados /mnt/smb -o username=xxx

Montando compartilhamento remoto NFS
# mount -t nfs 192.168.0.1:/dados /mnt/nfs

Montando uma partição do FreeBSD
# mount -t ufs -o ufstype=44bsd /dev/hdaX /mnt/bsd/

Montando uma partição windows com problemas na exibição de caracteres
Um problema muito comum é quando montamos uma partição FAT, existe o problema com a exibição de caracteres (ç,ã,á,é,í...). Uma maneira de resolver isso é usando as seguintes opções no fstab ou mesmo no mount:

iocharset=iso8859-1
codepage=850

exemplo de linha no fstab:
/dev/hdaX /mnt/win vfat noexec,uid=100,gid=100,iocharset=iso8859-1,codepage=850 0 0

exemplo de mount:
# mount -t vfat -o codepage=850,iocharset=iso8859-1,noexec /dev/hdaX /mnt/win

Esses exemplos foram somente para explicar a função da iocharset e codepage, as outras opções foram somente demonstrativas, ficando ao seu critério quais opções usar nas maneiras de montar o dispositivo.

Ta aí pessoal, um manualzinho bem simplificado e explicadinho sobre o fstab, espero que ajude todos, e tirem quase todas as dúvidas de vocês.
Gostaria de agradecer a Deus pela minha sabedoria, e que sempre me ajude a compartilhar ela com todos os que necessitam.

domingo, 6 de abril de 2008

Instalando fontes Windows no Ubuntu

Dica pega do blog Ubuntudicas

Veja como a pagina do site terra estava antes de eu fazer as modificações:

Antes

Depois


Vamos aos passos:

1 - Baixe as fontes do Windows e salve no desktop;
Instale-as, via terminal:
sudo tar xvjpf msfonts.tbz -C /usr/share/fonts/truetype/
Agora que estão instaladas no seu PC, vamos ao 2 passo.

2 - Baixe os arquivos XML no Desktop e extraia-os pelo terminal:
sudo tar xvjpf fontconfig.tbz -C /etc/fonts/
"Reboota" seu ambiente, clicando CTRL + ALT + BACKSPACE, e pronto, suas paginas de internet estão agora ajustadas corretamente.

sábado, 5 de abril de 2008

Revistas para download





  • Fedora, CentOS e Red Hat, as diferenças
  • Inclusão digital e software proprietário
  • Incentivo a projetos de software livre
  • Trabalhar com módulos de software livre
  • Download

sexta-feira, 4 de abril de 2008

Local Root Exploit Linux Kernel 2.6 Ubuntu e Debian

http://www.milw0rm.com/exploits/5092

Esse exploit afeta o Kernel versão 2.6 (2.6.17 - 2.6.24) de ubuntu e debian, o exploit precisa ser executado como usuario local, para conseguir ROOT


Ao terminar de instalar o ubuntu 7.10 compilei o exploit e charam! Funcionou!
Atualizei e não ficou mais vulnerável.

$ gcc exploit.c -o exploit
$ whoami
heikki
$ ./exploit
——-

——-——-——-——-
Linux vmsplice Local Root Exploit
By qaaz
——-——-——-——-——-
[+] mmap: 0×0 .. 0×1000
[+] page: 0×0
[+] page: 0×20
[+] mmap: 0×4000 .. 0×5000
[+] page: 0×4000
[+] page: 0×4020
[+] mmap: 0×1000 .. 0×2000
[+] page: 0×1000
[+] mmap: 0xb7d90000 .. 0xb7dc2000
[+] root
$ whoami
root

sábado, 23 de fevereiro de 2008

Editando as configurações do Grub com interface gráfica

QGRUBEditor é uma ferramenta para você editar as configurações do grub, (adicionar um novo sistema operacional a lista, setar um time para que o sistema padrão inicie, colocar senha, fazer um backup do arquivo, adicionar uma imagem etc) praticamente tudo que você pode fazer editando o arquivo do grub manualmente, pode ser feito com essa ferramenta, que pode ser de grande valor para iniciantes no mundo linux, e também para o pessoal que não gosta de toda vez ter que editar o arquivo /boot/grub/menu.lst

Ubuntu download(Debian Package (2.5.0))

Clique na imagem para amplia-lá

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Lista de softwares equivalentes do windows para o linux

Windows Software Linux Equivalent/Alternative
3D Studio Max
K-3D (http://www.k-3d.org/)
Wings 3D (http://www.wings3d.com/)
Art of Illusion (http://www.artofillusion.org/)
Blender (http://www.blender.org/)
ACDSee
GTKSee (http://gtksee.berlios.de/)
gthumb (http://gthumb.sf.net/)
KuickShow (http://kuickshow.sourceforge.net/)
ShowImg (http://www.jalix.org/projects/showimg/)
Gwenview (http://gwenview.sourceforge.net/)
GQview (http://gqview.sourceforge.net/)
Eye of GNOME (http://www.gnome.org/projects/eog/)
Adobe Acrobat Reader
okular (http://kpdf.kde.org/okular/)
Xpdf (http://www.foolabs.com/xpdf/)
Evince (http://www.gnome.org/projects/evince/)
ePDFView (http://trac.emma-soft.com/epdfview/)
KPDF (http://kpdf.kde.org/)
Adobe Audition
Audacity (http://audacity.sourceforge.net/)
Adobe Illustrator
Skencil (http://www.skencil.org/)
Inkscape (http://www.inkscape.org/)
Karbon14 (http://www.koffice.org/karbon/)
Xara Xtreme for Linux (http://www.xaraxtreme.org/)
Adobe PageMaker
Scribus (http://www.scribus.net/)
Adobe PhotoAlbum
F-Spot (http://f-spot.org/Main_Page)
KPhotoAlbum (http://www.kphotoalbum.org/)
digiKam (http://www.digikam.org/)
Adobe Photoshop
CinePaint (http://www.cinepaint.org/)
Gimpshop (http://www.gimpshop.com/download.shtml)
Krita (http://www.koffice.org/krita/)
GIMP (http://www.gimp.org/)
Adobe Premier
PiTiVi (http://www.pitivi.org/wiki/Main_Page)
LiVES (http://lives.sourceforge.net/)
Kino (http://www.kinodv.org/)
Cinelerra (http://cvs.cinelerra.org/)
kdenlive (http://kdenlive.sourceforge.net/)
Jahshaka (http://www.jahshaka.org/)
Ant Movie Catalog
Moviefly (https://savannah.nongnu.org/projects/lmc/)
AOL Instant Messenger (AIM)
Kopete (http://kopete.kde.org/)
Pidgin (http://pidgin.im)
APC PowerChute
Network UPS Tools (http://www.networkupstools.org/)
Apcupsd (http://www.apcupsd.com/)
PowerD (http://power.sourceforge.net/)
CDex
Sound Juicer (http://www.burtonini.com/blog/computers/sound-juicer)
Rubyripper (http://wiki.hydrogenaudio.org/index.php?title=Rubyripper)
ripperX (http://ripperx.sourceforge.net/)
Grip (http://nostatic.org/grip/)
KAudioCreator (http://www.icefox.net/programs/?program=KAudioCreator)
Collectorz
aviManager (http://avimanager.sourceforge.net/)
GCstar (http://www.gcstar.org/)
Tellico (http://periapsis.org/tellico/)
Alexandria (http://alexandria.rubyforge.org/)
Griffith (http://griffith.vasconunes.net/)
vMovieDB (http://vmoviedb.sourceforge.net/)
Katalog (http://salvaste.altervista.org/)
Dreamweaver
Quanta Plus (http://quanta.kdewebdev.org/)
Geany (http://geany.uvena.de)
Nvu (http://www.nvu.com)
Screem (http://www.screem.org/)
KompoZer (http://www.kompozer.net/)
Bluefish (http://bluefish.openoffice.nl/index.html)
DVDShrink
k9copy (http://k9copy.sourceforge.net/)
OGMRip (http://ogmrip.sourceforge.net/)
Thoggen (http://thoggen.net/)
xdvdshrink (http://dvdshrink.sourceforge.net/)
DVD Rip-O-Matic (http://dvdripomatic.sourceforge.net)
qVamps (http://vamps.sourceforge.net/)
dvd::rip (http://www.exit1.org/dvdrip/)
AcidRip (http://untrepid.com/acidrip/)
Everest
HardInfo (http://hardinfo.berlios.de/web/HomePage)
Finale
Lilypond (http://www.lilypond.org)
Denemo (http://denemo.sourceforge.net/index.html)
Rosegarden (http://www.rosegardenmusic.com/)
NoteEdit (http://noteedit.berlios.de/)
Brahms (http://brahms.sourceforge.net/)
Flash
F4L (http://f4l.sourceforge.net/)
Forte Agent
Pan (http://pan.rebelbase.com/)
FruityLoops
LMMS (http://lmms.sourceforge.net/)
Hydrogen (http://www.hydrogen-music.org/)
Google Desktop Search
Google Desktop (http://desktop.google.com/linux/index.html)
Beagle (http://beagle-project.org/)
Guitar Pro
TuxGuitar (http://www.tuxguitar.com.ar/home.html)
iTunes
Banshee (http://banshee-project.org/Main_Page)
aTunes (http://www.atunes.org/)
Quod Libet (http://www.sacredchao.net/quodlibet)
SongBird (http://www.songbirdnest.com)
Exaile (http://www.exaile.org/)
Amarok (http://amarok.kde.org/)
Listen (http://listengnome.free.fr/)
Rhythmbox (http://www.gnome.org/projects/rhythmbox/)
gtkpod (http://www.gtkpod.org/)
Legacy Family Tree
GRAMPS (http://gramps-project.org/)
LimeWire
FrostWire (http://www.frostwire.com/)
Meal Master
krecipe (http://krecipes.sourceforge.net/)
Gourmet Recipe Manager (http://grecipe-manager.sourceforge.net/)
Microsoft Access
Kexi (http://www.koffice.org/kexi/)
GNOME-DB (http://www.gnome-db.org/)
Microsoft Excel
KSpread (http://www.koffice.org/kspread/)
Open Calc (http://www.openoffice.org/product/calc.html)
Gnumeric (http://www.gnome.org/projects/gnumeric/)
Microsoft Frontpage
Quanta Plus (http://quanta.kdewebdev.org/)
Nvu (http://www.nvu.com)
KompoZer (http://www.kompozer.net/)
Bluefish (http://bluefish.openoffice.nl/index.html)
Microsoft HyperTerminal
minicom (http://alioth.debian.org/projects/minicom/)
GtkTerm (http://freshmeat.net/projects/gtkterm/)
Microsoft Internet Explorer
Epiphany (http://www.gnome.org/projects/epiphany/)
Opera (http://www.opera.com/download/)
Firefox (http://www.mozilla.com/firefox/)
Konqueror (http://www.konqueror.org/)
Microsoft Money
KMyMoney (http://kmymoney2.sourceforge.net/)
GNUcash (http://www.gnucash.org/ )
Gnofin (http://gnofin.sourceforge.net/)
Grisbi (http://www.grisbi.org/)
Microsoft Office
GNOME Office (http://www.gnome.org/gnome-office/)
KOffice (http://www.koffice.org/)
OpenOffice (http://www.openoffice.org/)
Microsoft Outlook (Express)
Thunderbird (http://www.mozilla.com/thunderbird/)
Evolution (http://www.gnome.org/projects/evolution/)
Microsoft Powerpoint
Open Office Impress (http://www.openoffice.org/product/impress.html)
KPresenter (http://www.koffice.org/kpresenter/)
Microsoft Project
KPlato (http://www.koffice.org/kplato/)
OpenProj (http://openproj.org/openproj)
GanttProject (http://ganttproject.sourceforge.net/)
Planner (http://live.gnome.org/Planner)
TaskJuggler (http://www.taskjuggler.org/)
Microsoft Visio
Dia (http://www.gnome.org/projects/dia/)
Kivio (http://www.koffice.org/kivio/)
Microsoft Windows Media Center
Freevo (http://freevo.sourceforge.net/)
Elisa Media Center (http://www.fluendo.com/elisa/)
MythTV (http://www.mythtv.org)
LinuxMCE (http://www.linuxmce.com/)
Microsoft Word
Open Office Writer (http://www.openoffice.org/product/writer.html)
AbiWord (http://www.abisource.com/)
Kword (http://www.koffice.org/kword/)
mIRC
Konversation (http://konversation.kde.org/)
KVIrc (http://www.kvirc.net/)
BitchX (http://www.bitchx.org/)
Xchat (http://www.xchat.org/)
ChatZilla! (http://chatzilla.hacksrus.com/)
irssi (http://www.irssi.org/)
Pidgin (http://pidgin.im)
Mp3tag
Kid3 (http://kid3.sourceforge.net/)
Musicbrainz (http://musicbrainz.org/)
Pinkytagger (http://pinkytagger.sourceforge.net/)
EasyTAG (http://easytag.sourceforge.net/)
Cowbell (http://more-cowbell.org/)
Audio Tag Tool (http://pwp.netcabo.pt/paol/tagtool/)
MSN messenger
Mercury Messenger (http://www.mercury.to/)
Kopete (http://kopete.kde.org/)
aMSN (http://amsn-project.net/)
Pidgin (http://pidgin.im)
Mudbox
SharpConstruct (http://sharp3d.sourceforge.net)
Nero Burning Rom
X-CD-Roast (http://www.xcdroast.org/)
Brasero (http://perso.orange.fr/bonfire/index.htm)
GnomeBaker (http://gnomebaker.sourceforge.net/)
Graveman! (http://graveman.tuxfamily.org/)
K3b (http://www.k3b.org/)
NetMeeting
Ekiga (http://www.gnomemeeting.org/)
NetStumbler
Kismet (http://www.kismetwireless.net/)
SWScanner (http://www.swscanner.org/)
Notepad
leafpad (http://tarot.freeshell.org/leafpad/)
NEdit (http://www.nedit.org/)
jEdit (http://www.jedit.org/)
Kate (http://kate-editor.org/)
gedit (http://www.gnome.org/projects/gedit/)
Scribes (http://scribes.sourceforge.net/)
tpad (http://tclpad.sourceforge.net/)
OrangeCD Catalog
GWhere (http://www.gwhere.org)
Origin
SciGraphica (http://scigraphica.sourceforge.net/)
Partition Magic
GParted (http://gparted.sourceforge.net/)
QtParted (http://qtparted.sourceforge.net)
Picasa
F-Spot (http://f-spot.org/Main_Page)
KPhotoAlbum (http://www.kphotoalbum.org/)
Linux Picasa (http://picasa.google.com/linux/download.htmlcd)
digiKam (http://www.digikam.org/)
Pro Tools
Ardour (http://www.ardour.org)
Quicken
KMyMoney (http://kmymoney2.sourceforge.net/)
GNUcash (http://www.gnucash.org/ )
Gnofin (http://gnofin.sourceforge.net/)
Grisbi (http://www.grisbi.org/)
SoulSeek
Nicotine (http://nicotine.thegraveyard.org/)
Nicotine-Plus (http://nicotine-plus.sourceforge.net/)
SoundForge
ReZound (http://rezound.sourceforge.net/)
Total Commander
GNOME Commander (http://www.nongnu.org/gcmd/)
xfe (http://roland65.free.fr/xfe/)
Tux Commander (http://tuxcmd.sourceforge.net/)
Midnight Commander (http://www.ibiblio.org/mc/)
Krusader (http://krusader.sourceforge.net/)
Traktor DJ
Mixxx (http://mixxx.sourceforge.net/)
Videora
thin liquid film (http://thinliquidfilm.org/)
Winamp
Audacious (http://audacious-media-player.org/Main_Page)
Amarok (http://amarok.kde.org/)
XMMS (http://www.xmms.org/)
Windows Media Player
KPlayer (http://kplayer.sourceforge.net/)
VideoLAN (http://www.videolan.org/)
xine (http://xinehq.de/)
mplayer (http://www.mplayerhq.hu/design7/news.html)
Windows Movie Maker
PiTiVi (http://www.pitivi.org/wiki/Main_Page)
LiVES (http://lives.sourceforge.net/)
Avidemux (http://fixounet.free.fr/avidemux/)
Cinelerra (http://cvs.cinelerra.org/)
kdenlive (http://kdenlive.sourceforge.net/)
WinIso
ISO Master (http://littlesvr.ca/isomaster/)
KIso (http://kiso.sourceforge.net/)
WinMerge
Meld (http://meld.sourceforge.net/)
xxdiff (http://furius.ca/xxdiff/)
WinTV
XdTV (http://xawdecode.sourceforge.net/)
tvtime (http://tvtime.sourceforge.net/)